HOME

Seminário da Ajuris debate Direitos Humanos, Declaração Universal e Constituição Federal

Em comemoração ao aniversário de 74 anos, a AJURIS (Associação dos Juizes do RS) realizou durante o dia de sexta-feira (10/8/2019), o seminário "Direitos Humanos, Declaração Universal e Constituição Federal: Entre Quereres e Fazeres".

O CEJUS participou do desenvolvimento de todo o Seminário, com a Vice-Presidente Jusselaine Gomes Porto e a Diretora Kátia Conceiçao Aguiar representando a Presidente Maria Beatriz Rodrigues Machado.

Com um dia inteiro de programação, o evento foi pensado para promover o debate sobre os 70 anos da Declaração dos Direitos Humanos e os 30 anos da Constituição Federal. “Nós queremos pensar o que fizemos no passado, mas também queremos olhar para frente. Olhar para o futuro e trabalhar por ele”, destacou a presidente da AJURIS, Magistrada Vera Deboni, durante a abertura do seminário, realizado em parceria com a Escola da Magistratura da AJURIS.


Jusselaine Porto, Presidente da Ajuris Magistrada Vera Deboni e Kátia Aguiar

Como lembrou a magistrada, "entre os objetivos do encontro está resgatar e registrar um pouco da história e a construção da Constituição. Completar 30 anos de uma carta constitucional é um marco importante para nossa democracia. É preciso olhar para trás e pensar quais eram os quereres daquele momento. Que país era aquele? O que queríamos? O que nossas instituições puderam fazer naquele momento? O que a AJURIS e o Ministério Público fizeram na época?”, questionou a presidente, antecipando o tema do primeiro painel intitulado 30 Anos Atrás – A construção dos Alicerces.

O diretor da Escola Magistratura da AJURIS, Jayme Weingartner Neto, aproveitou para destacar outro ponto importante do debate, sobre os direitos humanos. “A questão agora é: 70 anos depois, por onde andamos? Que fazeres nos restam, que nos desafiam, nos mobilizam?”, instigou. “Para pensarmos juntos, reunimos, pessoas e profissionais que, pelo Estado e pela sociedade, literalmente escreveram parte da nossa história e que hoje continuam traçando linhas de reflexão e pautas de ação”, ressaltou o magistrado sobre o objetivo do painel Direitos Sociais, Vulneráveis e Inclusividade e a conferência de encerramento intitulada 70 Anos Depois, Perspectivas para os Direitos Humanos.