HOME

Visitação é gratuita e aberta ao público em geral
no Palácio da Justiça (Fotos: Arquivo TJRS)


Guardião da história da Justiça gaúcha, Memorial do Judiciário completa 20 anos

Foi com olhares curiosos pelas escritas nas paredes e com certa rapidez que a turma de Direito do Centro Universitário Metodista - IPA tomou conta do andar térreo do Palácio da Justiça, pronta para participar de mais uma edição do Formando Gerações. "Espero que a visita possa nos mostrar na prática e de forma ilustrada a história desse segmento gaúcho", comenta o estudante Luciano D'avila.

A turma foi guiada pela Historiadora e Assistente Técnica Carine Trindade, que os instigava com perguntas. A Professora Gisele Welsch afirma que a visita ao Memorial é de extrema importância para o entendimento do que é ensinado em sala de aula. "Hoje eles saem daqui sabendo que, como futuros operadores jurídicos, conhecem da história da Justiça gaúcha."

Os alunos do IPA estão entre as cerca de 12 mil pessoas que já visitaram o Memorial do Judiciário. Criado como "Projeto Memória", em janeiro de 1998, com a missão de aproximar a população da história da Justiça gaúcha, o Memorial do Judiciário do Rio Grande do Sul completa 20 anos.

"Por meio de ações de responsabilidade social, o Memorial faz chegar à comunidade projetos pedagógicos, eventos socioculturais, casamento coletivo, seminários e congressos, incluindo a atuação do Memorial durante a Feira do Livro de Porto Alegre" destaca o Desembargador aposentado José Carlos Teixeira Giorgis, à frente do Memorial há 8 anos.


Casamento coletivo, realizado em conjunto a Corregedoria, já virou tradição

As dependências do Memorial estão abertas ao público de qualquer idade, de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h, na Praça da Matriz (Palácio da Justiça), buscando a interlocução e a integração com a sociedade civil. Além disso, com o objetivo de promover debates e a visibilidade entre o público jovem, exposições abordam temas que estimulam o interesse de instituições sociais e de ensino infantil e médio. Em 2017, a equipe alcançou o total de 79 visitas guiadas para grupos de escolas, universidades, projetos sociais e culturais, além de visitas espontâneas, atendendo mais de 3,3 mil pessoas.


Coordenador do Memorial, Desembargador Giorgis,
diz que atuação tem como foco a responsabilidade social,
por meio de projetos pedagógicos,eventos socioculturais
casamento coletivo, seminários e congressos

Projetos
O Formando Gerações tem cunho cultural, pedagógico e lúdico e é destinado às redes de ensino pública e privada. A atividade busca a interação do Judiciário com alunos, com a intenção de aprimorar o conhecimento da criança e adolescente sobre a justiça, cidadania e direitos. Além disso, os estudantes também podem participar do Prêmio FALA (Formando Adolescentes na Luta Antiviolência), realizado em parceria com a Corregedoria-Geral da Justiça. A iniciativa é voltada a difundir práticas e conceitos relativos aos direitos da cidadania e premia escolas e estudantes.

O Casamento Coletivo é outro evento tradicionalpromovido pelo Memorial. No ano passado, foram realizadas duas edições,/> unindo 46 casais, na Galeria dos Casamentos, em cerimônias coletivas.

Já a Terça Lírica, tem o objetivo de levar aspectos da história do Direito e da busca pela Justiça expressa em obras artísticas, no caso, com a utilização do Canto Lírico. Desde o ano passado, o espetáculo ganhou edições itinerantes, reunindo 470 ouvintes.


Terça Lírica retrata busca por Justiça
através da arte por meio de obras clássicas

Visitas
Para o Desembargador Giorgis, o Memorial exerce um papel importante para a comunidade, considerando a missão de ser um local de preservação da memória institucional. "Por meio das ações do Memorial, a sociedade toma conhecimento de outras atividades do Poder Judiciário, senão o ato de julgar, criando verdadeiro vínculo entre sociedade e instituição", afirma o Diretor. A média de visitações diárias ao Memorial, entre público espontâneo e grupos agendados, em 2017, foi de 460 pessoas.


Entre as atividades promovidas, visitação de grupos de estudantes,
do ensino fundamental à faculdade

Casos de repercussão
Em alusão aos 20 anos do Memorial do Judiciário, em 2018 a temática Mito e Realidade abordará casos de grande repercussão que viraram lendas urbanas, como A Noiva da Lagoa dos Barros, Os crimes da Rua do Arvoredo, o Assalto da Rua da Praia (1911), Maria Degolada, entre outros.

O seminário Desvendando o Rio Grande, que acontece todo ano, tratará sobre a importância do ofício do historiador, fazendo uma crítica às chamadas Fake News, ressaltando a construção das fontes de informações em redes sociais. "O exemplo do passado é lição para o presente e projeção para o futuro. Hoje, felizmente, as maiorias dos órgãos públicos dão destaque a seus Centros de Memória", ressalta o Desembargador Giorgis, sobre o prestígio dos 20 anos do Memorial do Judiciário gaúcho.


FALA premia atualmente alunos e escolas que participam do
Formando Gerações e concorrem com trabalhos culturais

Para mais informações e contato, acesse o link a seguir: Memorial do Judiciário.

Fonte
imprensa@tj.rs.gov.br
Texto: Luísa Meimes