HOME
Cejus renova Assessoria Jurídica avançando no Programa de Revitalização Administrativa

Na quinta-feira (22/06/17) a Presidente do CEJUS, Maria Beatriz Rodrigues Machado, sua Vice-Presidente Jusselaine Gomes Porto e Diretora-Financeira Kátia Conceição Aguiar estiveram reunidas com os Advogados Dra. Raquel Motta, especialista em Direito Trabalhista, e Dr. Paulo Ricardo Oliveira, especialista em Direito Civil. O encontro teve por objetivo o estabelecimento dos eixos de trabalho da Assessoria Jurídica do Centro dos Funcionários do Tribunal de Justiça/RS dentro do contexto de renovação das políticas administrativas da nova Direção da entidade. Os dois advogados assumiram a titularidade da Assessoria Jurídica para assistência e atendimento dos assuntos pertinentes da Diretoria, ficando também à disposição dos Associados.

Após a reunião de trabalho, os Assessores Jurídicos falaram para Imprensa-Cejus, transmitindo suas impressões como novos integrantes do corpo administrativo do CEJUS.

Dra. Raquel Motta

A Advogada Raquel Motta iniciou destacando que "estou muito contente por fazer parte deste processo de renovação que o CEJUS está propondo como integrante do Jurídico da entidade. Há um grande trabalho pela frente, legado por um conjunto peculiar de circunstâncias, e estamos já atuando nesta luta, confiantes no bom êxito para reduzir o passivo."

Raquel Motta destaca que "nesta renovação de impulso, que tem por objetivo patamares mais elevados, é importante a união dos Associados para contribuir decisivamente para o crescimento do CEJUS. A chamada para a participação é o meu recado e o meu convite aos Associados. Junto com a Diretoria eu estou à disposição para qualquer esclarecimento na área jurídica trabalhista. Sou uma profissional bastante engajada, com o acervo de 20 anos de profissão."

Em rápida abordagem de seu perfil pessoal, por solicitação da Imprensa-Cejus, Raquel pontuou que nasceu em Porto Alegre onde sempre esteve radicada profissionalmente. "Mas, por um tempo morei em São Borja e sou mutissimo afeiçoada àquela maravilhosa cidade. Minha família, em sua grande maioria, está ligada às atividades jurídicas, atuando na área trabalhista, na advocacia e na magistratura, em diversas cidades do Interior. Inclusive tenho uma tia que é Juiza do Trabalho no Rio de Janeiro. A minha principal atividade é o Direito Trabalhista, mas ocorre de atuar no Direito Previdenciário e, eventualmente, no Civil."

Em rápida incursão à temática trabalhista e previdenciária no atual cenário político brasileiro, Raquel enfatizou que as mudanças sempre vão ocorrrer na sociedade e que o Direito Trabalhista é um instituto imperecível. "O ideal seria que a Justiça do Trabalho evoluisse para a consagração do espírito de conciliação, sem a agressividade dos combates", concluiu.

Dr. Paulo Ricardo Oliveira

O Advogado Paulo Ricardo Oliveira ingressa pela segunda vez no quadro operativo do CEJUS após um intervalo de oito anos. Iniciou sua manifestação afirmando que, "quero ressaltar a minha honra em retornar ao CEJUS, onde durante os anos de 2004 a 2009 dei a minha contribuição no setor jurídico, atendendo a Diretoria e as demandas dos Associados que vinham até nós."

Os Advogados Paulo Ricardo Oliveira e Raquel Motta são associados na Banca Advocatícia Proforum e ele destaca que "estamos honrados com o início deste trabalho em que colocamos nosso escritório à disposição dos associados, no que puder, dentro de nossa área Civil, Trabalhista e Previdenciária."

Paulo Ricardo Oliveira destaca que "já tive a experiência de trabalhar com funcionários do Judiciário, na época em que atuei no CEJUS, entre 2004 a 2009. Efetivamente é uma experiência diferenciada porque o Associado tem conhecimento da área e, de forma geral, neste desafio o diálogo se torna enriquecido no âmbito das informações."

Paulo Ricardo acentua que "ao receber o convite do CEJUS, retomei a ideia de praticar uma advocacia mais preventiva, sempre tentando evitar a demanda judicial, sem prejuízo do interesse do cliente. A busca pela conciliação é a tendência moderna da advocacia, mas nem sempre se consegue. A figura do Advogado deve ser interpretada como o recurso de aproximação entre as partes, porque a conciliação e muito menos dolorida para quem tem o seu direito violado como para quem violou o direito de outro. É importante ser entendido que a consulta ao Advogado é imperiosamente necessária e nunca dispensável sempre que se tem alguma dúvida sobre o respeito a qualquer de nossos direitos. Isso não significa a obrigatoriedade do processo judicial, da lide, da judicialização do caso."

Gentilmente numa abordagem ao seu perfil pessoal, Paulo Ricardo afirmou que, "é com muito orgulho que uso dizer que eu nasci dentro de um escritório de advocacia, reverenciando a memória do meu Pai. Meu Pai foi procurador do Estado, numa época em que era permitido que pudesse advogar. Ele foi mais advogado do que Procurador do Estado, porque para ele a Advocacia era sonho, ideal e afirmação de vida. Eu, desde menino até a morte do meu Pai estive sempre junto com ele. O Jurídico faz parte de mim desde a infância e este senso de realização permanece vigoroso. Depois de formado, acompanhando a evolução das práticas do Direito, abracei a especialização do Direito Civil", concluiu Paulo Ricardo.